pelos 30!

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Descubra-te a ti mesmo...


>>> Por três minutos, tentei explicar a confusão de minha cabeça; no entanto, nem eu mesmo sabia como dizer o que pensava daquilo tudo. Petro olhava para o asfalto ainda agachado, buscava desenhar com o bico do sapato a sombra de minha cabeça. Juro que eu queria entender o que pensava ele também. Tirou um cigarro, tentou várias vezes acender o isqueiro. Sem fogo, sem gás! Atirou-o ao longe.
“Ei! Você está louco? Acertou em mim!”- retrucou o guri com skate na mão, retribuindo o gesto ofensivo. Tinha razão. Desviei do objeto quando veio contra mim.
“Foi mal!” – ele disse – “queria atirar no outro palhaço gêmeo”.
“Você descarrega a ira no garoto?”
“Pedro, o que você acha de tudo isso?”
“Não acho nada, apenas estranho. Tenho algumas hipóteses. Há exatos dois anos eu estava para fazer 30. Eu nunca me importei com aniversários. Quando alguns amigos me cobravam uma cerveja, sei lá, um gesto comemorativo, eu evitava. Quantas vezes eu preferi me esconder. Achava ridículo tudo aquilo. Mas nessa época era diferente: faltavam dois dias para dobrar minha quinzena. Vinte nove assopros de vela, isso era ridículo. para mim. Então Rafael Lins, um dos amigos de infãncia, me liga e diz: cara, hoje é seu aniversário, parabéns., eu não posso esquecer. Dez minutos e estarei aí...”
“Sim, aonde você quer chegar? Onde entro nessa história?”
“Daí Rafael aparece. Era um amigo de muito tempo, mas fazia oito que não nos víamos. Estava diferente, mantinha a mesma juventude de quando o vi pela última vez. Incrível! Meio sonhador também. Disse que tinha pouco tempo por ali, estava em um evento acadêmico. Resolvera me ver... Quem lhe deu meu novo número? Nunca soube, nem perguntei. Resolvemos sair com alguns outros colegas da cidade. Só eu o conhecia...”
“Diz logo, cara! Aonde você quer chegar?”
“... ele disse que precisava falar comigo, me ver, pois, naquele dia, seu irmão - que muito se parecia comigo - fazia aniversário. Porém, fazia dois anos que o suposto havia sido assassinado. Me arrepiei, é como se ele anunciasse minha morte com essa notícia. Eu sinto muito, eu disse. Ele sempre se referia ao irmão comparando a mim, tinha essa mania inquietante. Mas o irmão, segundo ele, morava com a mãe. Ele, com o pai. Minutos depois dessa conversa, alguém liga para ele, que se despede de mim com um abraço bem forte dizendo “queria sentir o cheiro do abraço que meu irmão não teve tempo de me devolver.” Suei frio, e o larguei.
“O que isso tem a ver comigo, Pedro?”
“Cara, as hipóteses são as seguintes: ou ele estava mentindo com a história da morte do irmão; ou ele matou o irmão ao insinuar um abraço; ou ele nunca teve irmão, e a mentira era a forma de alimentar um desejo marcado na falta, na ausência; ou, decerto, sempre falou a verdade e, nesse caso, o irmão dele é você. Eu não vejo outra saída!”
“Você está louco! Você é louco, Pedro...você é patético! Onde você aprendeu a enrolar uma história não te ensinaram que enredo mal contado enforca o autor na incoerências das palavras?”
“O problema agora, Petro, não é mais meu... descubra-te a ti mesmo!”
Ele enraivecido nem se despediu, atirou o celular ao alto acertando a vidraça de um prédio. Estilhaços no chão; fingi que não vi. Certamente era para que eu nunca mais lhe ligasse, mas esqueceu-se que pela manhã havia me enviado um email.
O sol ainda forte lá ao longe e um vento frio pelas esquinas da cidade. Se o ar tivesse cores naquele isntante, eu veria um vento vermelho fazendo curvas por onde ele passava. Poderia seguir seu cheiro de cigarro molhado. Mas agora era diferente, o aroma era diferente, eu poderia sentir isso ainda ali. Vi-o se camuflando aos poucos entre um passante e outro, enquanto ele jogava cigarros pelo chão até perder-se na multidão. Era como se eu tivesse ali perambulando até me ver perdido na multidão. Conhecer alguém que carrega nossos traços nos leva a encarar a nós próprios como seres desconhecidos, patéticos; é ver como nos conhecemos pouco.
Eu havia mentido. Não sobre as hipóteses, mas sobre o que disse ao reescrever a frase socrática. O problema não era só dele, era tão meu quanto do Petro a partir daquele instante. Justo eu que pensava que me conhecia bem. Pedro Lins. Qual mistério estava em torno de meu sobrenome? De nossos três sobrenomes...

6 comentários:

  1. Olá caro amigo, uau, rs, aqui é sempre tão intenso, mas acho que é porque eu ainda não estou na casa dos 30, então tudo me choca, hehehe, alguma coisa deve acontecer nessa época tão querida, que tudo se torna mais boêmio... Ok, primeiramente quero agradecer mooooito pelo carinho e pelo coments, me motiva e alegra muito, de coração! Segundamente quero te intimar a não sumir heim, pála mor, hehe. Sobre as partes que já foram digeridas do texto achei estranho essa transferência fraternal, podia jurar que tivesse segundas e terceiras intenções, enfim, mas acho que com MUITO mais calma e cabeça fria, sem atirar cigarros nas pessoas ou quebrar vidros as idéias se organizam e logo descobrimos quem é quem e o que cada um quer, rsrs... Abraçoooo! :D

    ResponderExcluir
  2. Adoro a palavra...patético...
    e aqui ficou muito bem...

    "...Quem nos deu asas para andar de rastos?
    Quem nos deu olhos para ver os astros
    Sem nos dar braços para os alcançar?!..."
    Lindo né...é Florbela Espanca...
    Que flutua no meu blog...
    E espera por você...
    Beijos...
    Leca...

    ResponderExcluir
  3. Ei! Sabe o que é SAUDADE?
    Pois é eu, estava com saudades de suas palavras e dessa explosão de emoções e confusões que você faz com nossas cabeças ao acompanhar sua história...Bravamente por sinal!
    Meu amigo Petro, acho que estou meio distante de Lins agora, acho que quando vc deixa de transmitir à esse seu amigo aqui o que se passa com ele, eu fico meio perdidão!!! Estava tão perto dele, acho que ganhando sua confiança...Mas vamos lá...
    Conhecer alguém que carrega nossos traços nos leva a encarar a nós próprios como seres desconhecidos, patéticos; é ver como nos conhecemos pouco, é meu amigo, essa é uma grande verdade!Se pararmos um pouco para olharmos para nós mesmos, percebemos o quanto nós somos estranhos...Ainda mais depois de romper a Casa dos Trinta!!!, pois é, esse seu amigo aqui fez essa passagem, um tanto quanto à contra gosto, mas foi inevitável, e pode perceber que ainda assim conhece pouco sobre sí mesmo...E achou-se um tanto patético tbm...

    Não se demore! Sei que a vida lá fora é urgente, e como é!Mas lembre-se de viver virtualmente e alimentar seus amigos com suas bem escritas palavras e emoções!

    Um abração já cheio de saudades à esperar por sua próxima postagem!
    G^^^^^^Ê!

    ResponderExcluir
  4. Petro, bem louca essa história. Se me aparece um cara com umas histórias funestas dessas sobre o irmão que foi assassinado, um abraço que não foi dado, meu, acho que eu lançaria o celular na cabeça do sujeito e daria um rapa, um passa fora de primeira ordem, meu. (sorrio).
    Muito legal, Petro. Como vai a sua tese, amigo?

    Abraço do Jefhcardoso

    ResponderExcluir
  5. É sempre tão confuso... Conhecer a si mesmo é o maior perigo que um homem corre.
    Nosce te ipsum (conhece a ti mesmo)

    ResponderExcluir
  6. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog A Poética de Cibele Camargo. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Comente na casa dos 30